Casa da América Latina presente no Portugal Exportador 2012

A Casa da América Latina associou-se na organização do Workshop do Mercado América Latina do Portugal Exportador 2012, que decorreu no passado dia 21 de Novembro no Centro de Congressos de Lisboa. Carlos Quenan – Vice-Presidente para a América Latina do Institut des Amériques, Paris – foi o orador escolhido pela CAL para abrir e comentar o workshop e apresentou as principais oportunidades e riscos para as empresas na América Latina, “tendo sempre presente a crise internacional que pode durar mais tempo do que o previsto”.

Na edição deste ano, que envolveu um alargado número entidades públicas e privadas, com destaque para a presença de 46 embaixadas, 15 câmaras de comércio bilaterais, 12 associações empresariais, e diversas empresas prestadoras de serviços, houve uma adesão superior a 1500 empresas, ultrapassando significativamente as edições anteriores.

Na sua intervenção na sessão de abertura, o presidente da AIP – Feiras, Congressos e Eventos (que organizou o evento em parceria com a AIP – Câmara de Comércio e Indústria, o BES – Banco Espírito Santo e a Aicep Portugal Global, com o apoio da CIP-Confederação Empresarial de Portugal e da AEP-Associação Empresarial de Portugal), Rocha de Matos, referiu que os empresários presentes puderam “num só dia e num único local aceder às principais fontes de informação, instrumentos disponíveis e aos mais importantes agentes públicos e privados, relacionados com o processo de internacionalização”.

O workshop contou ainda com as intervenções de directores da AICEP nos mercados do Brasil, Venezuela, México, Peru e Colômbia e de responsáveis das empresas FAMAVAL CRIAÇÕES METÁLICAS ADAUTA, S.A. (Brasil), GRUPO LENA (Venezuela), ATRAL CIPAN (Venezuela e Peru), E-XAMPLE (México) e Saraiva & Associados (Colômbia), que incentivaram os empresários presentes a investir nestes países, deixando muito conselhos: “Reúna toda a informação antes de ir, nunca utilizar consultoria de táxi e dormir na porta do cliente se não o quiser perder”, referiu António Dias, da Famaval; “os recursos mais competentes que temos na empresa são os que devemos levar, quando pensamos em internacionalização, pois devemos sempre levar o que temos de melhor, só assim sobreviveremos a essa decisão. Além de que nunca devemos esperar resultados a breve prazo. Isso não existe”, alertou Joaquim Paulo Conceição, CEO do Grupo Lena.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Economia. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s