Poema de José Umaña Bernal

Qué adelfas deshojadas en el canto
donde gime tu ausencia desterrada;
y qyé templor de luna sosegada
en la imminente fuga de tu llanto.

Qué talle de guitarra en su quebranto
de suspiro y de copla desgarrada;
y qué dulce garganta enamorada
de noche azul y de escondido encanto.

Qué soledad de rosa y primavera,
¿quién parte para ti yelo y hoguera,
miña de lirio, y sombra, y pena, y fuego?

El caballo del alba silenciosa
lleva sobre su grupa de oro y rosa
la fugitiva imagen de tu ruego.

– José Umaña Bernal, Fado

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Artes. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s