Excertos da “Poesia Completa” de Manoel de Barros (3)

Excerto da Biografia do orvalho:

1. Ninguém consegue fugir do erro que veio.
2. Poema é lugar onde a gente pode afirmar que o delírio é uma sensatez.
3. A limpeza de um verso pode estar ligada a um termo sujo.
4. Por não ser contaminada de contradições a linguagem dos pássaros só produz gorjeios.
5. O início da voz tem formato de sol.
6. O dom de esculpir o orvalho só encontrei na aranha.
7. Pelos meus textos sou mudado mais do que pelo meu existir.
8. Não é por fazimentos cerebrais que se chega ao milagre estético senão que por instinto linguístico.
9. Sabedoria pode ser que seja ser mais estudado em gente do que em livros.
10. Quem se encosta em ser concha é que pode saber das origens do som.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Artes. ligação permanente.

Uma resposta a Excertos da “Poesia Completa” de Manoel de Barros (3)

  1. Luiz. diz:

    Feche os olhos. Respire fundo, lentamente, solte o ar… Produza mentalmente uma teia de aranha, cheia de gotinhas de orvalho, todas com o brilho da aurora, como pequeninos diamantes, na beira de uma bucólica estradinha rural, fechada de arbustos úmidos, presa precariamente – e sabiamente para os bichinhos voadores da noite de lua cheia, farto acepipe – entre a cerca de arame e um remoto e fino galhinho vegetal, numa manhã de pura neblina e fantasia; pedacinho de felicidade…
    “O dom de esculpir o orvalho só encontrei na aranha.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s